• contato@coordenare.com.br
Crescendo na crise - uma necessidade urgente

Canal: Artigos

Por Dr. Nelson Belarmino, Farmacêutico

Diretor Executivo - Coordenare

 

Nos últimos meses, se tem uma palavra que podemos afirmar que foi uma das mais citadas pelos Brasileiros, podemos garantir que foi a “CRISE”.

Uma palavrinha de cinco letras vem afetando a economia brasileira de forma devastadora, gerando desempregos e insegurança seguida de pessimismo para todos que vivenciam esse momento.

Diante do caos que estamos vivendo é quase impossível noticiar que existem setores que ainda estão contratando, pois é o caso dos setores considerados essenciais: alimentação, medicamentos e combustíveis, pois nesse a tradicional frase “Não há vagas” ainda não foi evidenciada, contraditoriamente a presente realidade, uma vez que a taxa média nacional de desemprego que foi de 7,9% no primeiro trimestre de 2015, conforme Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), não sendo tão diferente para o Ceará que alcançou um percentual de desemprego para o mesmo período de 8%, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. 

Diante de situações totalmente opostas, vivenciados em um mesmo momento não podemos achar que esses segmentos estão blindados para crise, uma vez que todos esses dependem obrigatoriamente do poder aquisitivo da população como um todo, logo surge à primeira dúvida: crescer diante da crise é possível?

Para os segmentos considerados essenciais parece não ser muito difícil, pois para alguns como o setor de alimentação e combustível podem ser trabalhados as faixas promocionais, que seriam descontos em dias determinados, além de serviços diferenciados que fossem capazes de atrair a clientela, já para o segmento de medicamentos, além de trabalhar as faixas promocionais, existe também, assim como os outros seguimentos, a oferta de serviços diferenciados e é nesse ponto que pautamos nossa discussão.

Quando nos referimos aos medicamentos estamos visualizando as Farmácias, sejam públicas ou privadas, logo daremos um maior enfoque, para esta última.

É claro e notório que a situação de nossa saúde está cada vez pior, faltam profissionais qualificados, faltam medicamentos em postos de saúde, a população não tem acesso aos serviços de saúde em um curto período de tempo, falta muito para que a qualidade dos serviços de saúde em nosso País seja considerada razoável, com raras exceções.

Diante desse caos “momentâneo” da saúde, existe profissional de saúde que nos últimos anos vem se destacando e sendo cada vez mais reconhecido pelos seus serviços prestados à população que é o profissional Farmacêutico, pois são inúmeras as atividades que esse profissional está apto e legalmente regulamentado para exercer.

Se voltarmos um pouco no tempo, podemos lembrar que o Farmacêutico, quando atuando em farmácias fazia simplesmente a venda e dispensação de medicamentos, quando muito, algumas pequenas orientações, mas hoje após a regulamentação de várias atividades desse profissional, o mesmo pode atuar diretamente com o paciente, na atenção farmacêutica, farmácia clínica, prescrição farmacêutica, estética, etc, sempre atendendo o cliente e que agora passa a ser paciente, uma vez que conforme a Lei 13.021/2014, a farmácia é um estabelecimento de saúde, pois várias são as atividades que podem ser realizadas nesse estabelecimento.  

E o que isso tem a ver com a CRISE? Simples, se observarmos que, a população nos últimos anos vem clamando por atendimento, e o farmacêutico exercendo atividades para promover essa saúde a população, é quase que por instinto que a busca pelos serviços farmacêuticos tendem a ter uma procura exponencial e para isso deveremos trabalhar as devidas estratégias para que esse público alvo seja fidelizado nos estabelecimentos farmacêuticos.

Importante ressaltar que, diante das várias atividades que o Farmacêutico pode exercer, na parte clínica ainda somos bastante limitados, mas isso não impede de que exerçamos as atividades possíveis de serem realizadas, pois já teríamos uma gama dessas para serem desenvolvidas com o público que buscasse nossos serviços.

Ora, se diante da situação de achatamento na economia, e considerando a saúde da população, como algo imensurável, manter-se-ão em destaque aquelas farmácias que vêm desenvolvendo atividades inovadoras voltadas para o seu público, seja na oferta de serviços, que são vários os valores agregados, seja no diferencial do produto que oferece ao seu cliente/paciente, seja na atenção a este, pois na crise sabemos que é possível sobreviver, e em algumas situações além de sobreviver ainda podemos crescer, logo o diferencial em serviços e as idéias inovadoras serão cruciais para que este segmento de medicamentos, em particular as farmácias, consigam atravessar a crise com crescimento e fidelização de sua clientela, por isso não seja tímido nas suas idéias, seja ousado, crie estratégias, inove, tenha um time de colaborador capacitado e alinhado com a missão da empresa.

Portanto, os produtos e serviços que podem ser oferecidos a população são vários, busque aquele que melhor será adaptado em um intervalo de curto e médio prazo, inove e terás sucesso.