• contato@coordenare.com.br
Câncer de Próstata - Entendendo um pouco.

Canal: Artigos

Por Dr. Nelson Belarmino - Farmacêutico  

Diretor Executivo - Coordenare

Antes de falarmos da doença em si, falaremos um pouco sobre a próstata, uma glândula auxiliar do sistema genital masculino, que fica situada à frente do reto e logo abaixo da bexiga urinária. Quanto ao seu tamanho poderá ter variação em função da idade. Nos homens mais jovens, tem aproximadamente o tamanho de uma noz, mas pode ser bem maior em homens de mais idade.

E qual seria a função dessa glândula? A próstata é responsável por produzir o fluído que protege e nutre os espermatozóides no sêmen, a fim de torná-los mais líquido, tem seu desenvolvimento ainda antes do nascimento, aumentando pouco durante a puberdade. É estimulada pelos hormônios masculinos, denominados andrógenos no corpo, tendo a testosterona como o principal andrógeno, que é produzida nos testículos.

Na próstata podem ser encontradas vários tipos de células.  As células da próstata produzem o líquido prostático que é adicionado ao sêmen. O câncer que começa nas células da glândula é o  adenocarcinoma, mas outros tipos de cânceres também pode começar na glândula prostática, incluindo sarcomas, carcinomas de pequenas células e carcinoma de células transicionais, mas são muito raros.

Na maioria das vezes, o câncer de próstata pode ter um desenvolvimento lento e alguns estudos mostram que a maioria, ou seja, cerca de 80% dos homens com idade de 80 anos, que morreram por outros motivos, tinham câncer de próstata sem diagnóstico. Podendo ainda em alguns casos haver o crescimento e se espalhar drapidamente, surgindo assim as metástases.

Quanto ao diagnóstico, hoje já dispomos de exames e técnicas responsáveis pelo diagnóstico prévio, dentre esses temos a biópsia, cintilografia óssea, tomografia computadorizada, ressonância magnética, radioimunocintilografia, laparoscopia, Biópsia por Aspiração com Agulha Fina (BAAF), dentre outros, mas importante saber que por mais preciso que os exames possam ser, não substituem a avaliação clínica e o exame de toque retal.

Já em relação ao tratamento para o câncer de próstata são vários e dentre eles temos: cirurgia, radioterapia, hormonioterapia, quimioterapia e ainda as drogas inovadoras, os anticorpos monoclonais, que vem ganhando mercado a cada dia, devido a resposta ao tratamento e uma melhor qualidade de vida para diversos pacientes. 

De acordo com, o INCA – Instituto Nacional do Câncer, durante o ano de 2015, cerca de 68 mil brasileiros receberão diagnóstico da doença, sendo a segunda causa de morte por câncer entre homens, ficando atrás apenas do câncer de pulmão. Nos Estados Unidos, as estatísticas indicam que 1 a cada 6 homens vai ter câncer de próstata, mas apenas 1 em cada 34 vai morrer por causa da doença. A taxa de mortalidade da doença está em queda, em parte porque está sendo diagnosticada precocemente.

Logo, diante de todo o arsenal existente seja de métodos diagnósticos, seja do tratamento padrão ao inovador, a única certeza que temos é que a prevenção ainda é a melhor medida a ser tomada, pois a recomendação- padrão é que homens saudáveis realizem 1 vez por ano a quantificação de PSA, assim como o exame de toque retal, para aqueles a partir dos 50 anos, já para aqueles que um maior risco, ou seja, com caso de parentes que tiveram câncer de próstata deverão iniciar a investigação um pouco mais cedo, ou seja, já aos 45 anos. Portanto previna-se!